quarta-feira, setembro 21, 2016

Recensão no Acrítico

«Este livro é uma excelente contribuição para conhecermos o sucesso com que o país enfrentou a ameaça da gripe A, permitindo traçar linhas de orientação para o futuro, bem como perceber os modelos de cobertura jornalística adotados pelos media em situações de risco social, ambiental ou de saúde pública.»
A gentileza de António Ganhão na primeira (e incisiva) crítica ao meu novo livro. Pré-publicação no indispensável Acrítico - António Ganhão: ver aqui.
Muito obrigado.

quinta-feira, setembro 15, 2016

A Gripe e o Naufrágio

Um petroleiro à deriva na Galiza, em risco de afundamento e consequente derrame de crude. Uma pandemia perigosa, anunciada como a gripe do século, com uma taxa inédita de mortalidade associada.
- Como lidam as notícias com o risco.
- Como se constroem narrativas sobre temas em aberto, sem um desfecho previsível.
- Como lidam os gestores de crise com os meios de comunicação.

Gonçalo Pereira Rosa, investigador da Universidade Católica Portuguesa e director da edição portuguesa da National Geographic, entrevistou gestores de crise, ministros e jornalistas. Reabriu planos de contingência da crise do Prestige e da pandemia de gripe A. 
Analisou a cobertura noticiosa de jornais e televisões e concluiu que a curva de noticiabilidade de um acontecimento típico da sociedade de risco quase nunca tem correspondência com a curva de gravidade definida pelos gestores de risco. 
“A Gripe e o Naufrágio” – em breve nas bancas, com a chancela da Arranha Céus e apoio do Gabinete para os Meios de Comunicação Social.

segunda-feira, setembro 05, 2016

Remoção de alguns textos


Os mais atentos notarão que, nos últimos dias, o blogue perdeu cerca de uma dezena de crónicas, removidas para polimento, como se faz nas oficinas.
Espero recolocá-las aqui noutro formato nos próximos meses.
Como sempre fico grato pela preferência e palavras de encorajamento.

sexta-feira, agosto 12, 2016

A ave e o jornalismo de proximidade

Fotografia de Luís Ferreira. Selvagens, Madeira.
Há uma dimensão poética nas missões solitárias como aquela a que o fotógrafo Luís Ferreira se dedica nos últimos cinco anos, tanto mais que ela foi abraçada sem qualquer garantia de publicação futura. Como nos filmes de aventuras, o Luís atirou-se primeiro para o vazio, na esperança de que, do lado de lá, existisse algum ponto de apoio. E existia.
Durante cinco anos, sempre que pôde, o fotógrafo trabalhou na maioria dos ilhéus e ilhas mais remotos do território português. Não haverá aliás muitos indivíduos que possam, como ele, gabar-se de já terem pisado as Desertas e as Selvagens, as Berlengas, o Corvo e o ilhéu de Vila Franca do Campo, bem como as maiores ilhas dos arquipélagos dos Açores e Madeira. Nada, no projecto, tinha dimensão turística ou idílica – como um pisteiro, o Luís perseguia uma ideia e não uma paisagem.
Publicamos, na edição de Agosto da revista, uma amostra reduzida do seu extraordinário trabalho fotográfico com as cagarras, uma das poucas aves que nidifica nos Açores, na Madeira e em Portugal Continental (se fizermos o jeitinho de considerarmos as Berlengas neste lote).
A cagarra não é um objecto de trabalho fácil, apesar de razoavelmente abundante nos contextos insulares. Os seus hábitos nocturnos dificultam a vida de quem precisa da luz como de pão para a boca. A exuberância dos seus comportamentos expressa-se sobretudo lá longe, no oceano, onde nenhum humano consegue acompanhar a extraordinária obstinação migratória da ave. E os comportamentos mais raros – aqueles que foram vistos por escassos peritos – têm lugar em curtos intervalos de tempo durante o ano.
Para enfrentar esta montanha de adversidades, o Luís contou com o apoio precioso da Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA), à qual a revista fica a dever mais um gentileza entre muitas outras. Os biólogos da SPEA concederam acesso total às suas operações, assim o Luís conseguisse acertar o seu relógio biológico pelo dos especialistas, que visitam ninhos à noite e fazem três rondas durante ciclos de 24 horas para pesagens e medições.
O resultado do projecto – ou melhor, uma amostra do projecto – pode ser consultado na edição de Agosto da National Geographic. Algumas das fotografias registam momentos que até à data ainda não tinham sido captados nesta espécie. A ciência, produzida pela SPEA em mais de uma década de trabalho com as áreas importantes para as aves no Atlântico Norte, é entusiasmante. E fica entretanto prometido um livro, co-assinado pelo Luís Ferreira e pelo Pedro Geraldes, onde toda a diversidade fotográfica captada em cinco anos no campo pode ser apreciada.
Com frequência, chegam à redacção da revista propostas ousadas de aventureiros dispostos a explorar os confins mais distantes do globo para relatar a história das suas vidas. O projecto fotográfico do Luís Ferreira acaba por sublinhar uma dimensão omnipresente naquilo que fazemos, enunciada em 1888 pelos fundadores da National Geographic Society: interessa-nos o mundo e tudo o que ele contém.
Com frequência, a história de uma vida pode estar mesmo ao virar da esquina. Basta encontrar uma narrativa que os outros queiram ouvir.

terça-feira, julho 26, 2016

A propósito do cabo Mondego

Há cerca de 15 anos, fui com a professora Maria Helena Paiva Henriques ao cabo Mondego. Estávamos então no início deste longo processo de aceitação do geomonumento português como estratótipo limite do Bajociano. Contou-me uma história deliciosa sobre a Presidência Aberta de Mário Soares na região.
Passeavam pela Figueira da Foz e a eminente geóloga confidenciou ao PR que não conseguia cativar os media para a importância científica daquele cabo. À tarde, Soares foi... Soares. À passagem por uma das elevações, trepou pela rocha como um gato e foi fotografado por toda a imprensa. Quando desceu, segredou à professora: “Amanhã, verá o cabo Mondego em todas as primeiras páginas de jornal.”

Hoje, tantos anos depois, a formação rochosa inserida no complexo mais amplo do cabo recebeu o Prego de Ouro, confirmando a classificação internacional de referência. Parabéns, professora Maria Helena Paiva Henriques!

sexta-feira, julho 01, 2016

Ruy de Castro como… Ruy de Castro


Nuno Pacheco dá hoje (no Público) a boa notícia: Chega de Saudade, a obra monumental de Ruy de Castro sobre a Bossa Nova, não será adaptada ao português europeu. Sai tal qual Castro escreveu — só quem sofreu com o aportuguesamento forçadíssimo de Carmen, outro volume incrível sobre Carmen Miranda, aprecia o gesto. Ruy de Castro é como os morangos: deve ser consumido tal qual sai da terra, sem açúcar ou chantilly.

segunda-feira, junho 13, 2016

A dinastia dos verrumas e o rei Dom Carlos no corpo de um general francês


Verruma.
Na cidade de Lisboa, neste feriado, dia 8 de Dezembro de 1886, a palavra parece circular na boca de todos. Nunca se falou tanto deste instrumento de ferro com a ponta em espiral, usado para abrir furos na madeira. Ferramenta de carpinteiro e de assaltante, a verruma tem hoje a sua consagração na cultura popular.
Cai uma chuva miúda, quase cacimba, quando os sinos das igrejas do Chiado assinalam as duas horas da tarde. Eduardo Schwalbach, 26 anos, redactor do Jornal do Comércio, passeia por Lisboa quase esquecido da partida que pregou dois dias antes no seu jornal.  «Alegre e despreocupado, ao virar da Rua Nova da Trindade para o Largo da Abegoaria [hoje Largo Rafael Bordalo Pinheiro], uma crespa ondulação de vozes mete-se-me nos ouvidos», contou nas suas memórias (À Lareira do Passado, 1944). «E ao pôr os pés no Largo surpreende-me um mar de cabeças ao alto, braços erguidos e goelas escancaradas que, do Chiado, extravasava para a Rua Serpa Pinto. A algazarra era ensurdecedora. ‘Verruma para aqui! Verruma para ali!’, em gritos que pareciam uivos, com palmas a estalarem, assobios a silvarem, garotos a imitarem foguetes, gaitinhas, um inferno», acrescentou.
Schwalbach começa a temer que a algazarra seja resultado da sua partida. Na madrugada do dia 6, a verruma parecera-lhe uma graça inofensiva, uma blague. Agora, assusta-se com as consequências. «Tenho medo de mim próprio. Como um assassino irresistivelmente atraído para junto do cadáver da sua vítima, meto ombros por entre a onda do povo e, açodado, ofegante, vou ter à Igreja dos Mártires. Um coupé de gala estava parado à porta. Pregada na traseira, uma enorme folha de papel branco com uma também enorme verruma pintada a preto.» Está desfeito o mistério.
Eduardo Schwalbach em 1944
(arquivo do autor)
O sisudo Jornal do Comércio, jornal de um banqueiro – o Conde de Burnay –, composto, respeitoso e respeitável, «com um aspecto de gravidade inerente ao Deve e ao Haver», participara numa farsa. É provável que tenha sido o mais divertido empastelamento da história da imprensa portuguesa. Melhor ainda: ao contrário dos outros, foi propositado!

EMPASTELAMENTO DO GRANEL
O empastelamento era o pesadelo do redactor-paginador, o jornalista que, nos velhos tempos da composição a chumbo, tinha a missão de desenhar a configuração das notícias em cada página do jornal, calculando espaços e condensando tipos para arrumar os materiais. Por vezes, as linhas do granel misturavam-se, produzindo como resultado indesejado trechos de texto sem sentido, pois as notícias aglomeravam inadvertidamente fragmentos de outras peças.
Durante muito tempo, na tipografia do Diário de Notícias, esteve afixado um dos exemplos mais divertidos de empastelamento da imprensa lusófona, produzido em 1908 num jornal regional do Brasil, a Gazeta de São João Baptista. Noticiava-se a partida para o Rio de Janeiro de um médico muito estimado em Goiás. A notícia seguinte no alinhamento do jornal dava conta de uma feira de suinicultura e de um porco de dimensões generosas. Por lapso, houve empastelamento e o texto impresso ficou:
«Parte hoje para o Rio de Janeiro, onde demorar-se-á alguns meses, o nosso querido amigo, dr. José da Silva Mattos.
É um dos melhores exemplos de suínos que temos visto, attingindo o seu peso, caso entre nós nunca visto, a 168 kilogrammos.
Os seus numerosos amigos, querendo demonstrar quão sensível lhes será a ausência do estimado clínico que vae remetido para a Exposição Nacional onde certamente ganhará um dos prémios destinados a animais do ceva, demonstrando os cuidados que dispensava com sua carinhosa presença aos seus enfermos, attendendo a qualquer hora do dia ou da noite os chamados por maior que enche de orgulho os criadores goyanos certos de que esse representante da zootechina do município na Capital attestará o adiantamento de operoso clínico que deixa fundas saudades entre nós com sua retirada, felizmente não longa.
Teremos a maior satisfação e prazer em vê-lo esquartejado, vendido a peso o seu toucinho, dando razoável e compensador lucro a todos os seus amigos.»
Arquivo da Biblioteca Nacional do Brasil
Deixemos Fernando Pires, um dos jornalistas mais experientes nesta tarefa, explicar a arte da composição a chumbo (em O Nosso DN. Memória do Tempo, 2014) e o risco do granel. No espaço actual da redacção do jornal na Avenida da Liberdade [pelo menos, até à próxima mudança de sede], funcionava a velha e gigantesca tipografia, com a Linotype, «uma estrutura de ferro, alta, que tinha no topo uma caixa com as matrizes de todos os caracteres e em baixo um teclado. A máquina substituíra o penoso processo manual de composição de que Alexandre Vieira, pioneiro do movimento operário português, fala admiravelmente em Em Volta da Minha Profissão (1950). A Linotype impôs-se nas tipografias dos jornais de Lisboa e do Porto a partir da segunda década do século XX. Vieira, velho tipógrafo, nota que, «como todas as maquinarias que anulam o trabalho de muitos braços – em proveito do industrial, claro – foram, por isso mesmo, recebidas ferozmente pela nossa gente, apesar de as maganas serem bem sedutoras».
        Avançamos novamente à boleia de Fernando Pires. O linotipista colocava o texto diante de si, numa gancheta que prendia o original, dactilografava-o, as matrizes correspondentes caíam e eram recolhidas por um braço metálico, onde ficavam suspensas. O linotipista confirmava, na face exterior da matriz, pelos caracteres gravados, se tudo estava correcto, ajustava a linha, se necessário, preenchendo eventual espaço com matrizes brancas, isto é, sem qualquer caractere e accionava uma alavanca que conduzia o braço com as matrizes para uma caldeira de chumbo ao lado, incorporada na máquina».
A caldeira fundia o chumbo e ejectava uma linha de chumbo com os caracteres em relevo para um tabuleiro. A operação repetia-se incessantemente. Quando o texto estava por fim composto, formava-se o granel, «atado com um cordel […] e levado ao prelo para obter uma prova», depois revista. A cada sessão de emendas, o linotipista compunha novas linhas que o redactor-paginador colocava no sítio certo da página.
Esse granel, por vezes, na confusão do fecho de cada edição e no frenesi da composição a chumbo, sofria adulterações. O exemplo do jornal brasileiro é um caso clássico de adulteração involuntária. Mas voltemos à nossa história.

O CASAMENTO E A VERRUMA
Schwalbach progredira rapidamente na carreira. Começara no Diário Ilustrado, acumulando funções no Correio da Manhã de Pinheiro de Chagas. Em 1886, zangado com Pedro Correia, director do Ilustrado, saiu abruptamente do jornal, mas não ficou inactivo por muito tempo. Cristóvão Aires, nome grande do jornalismo do século XIX, convenceu-o a aceitar um cargo no Jornal do Comércio. Para um boémio com pretensões literatas, era um aburguesamento. «O diabo fez-se ermitão», admitiu nas suas memórias. «Substituí o chapéu e a máscara de Arlequim pelo barrete de seda e os óculos de escriturário e segurei-me nos rails para não descarrilar.»
Na noite de 5 de Dezembro de 1886, cerca das onze horas da noite, entrou na redacção «uma das mais típicas e apregoadas figuras de Lisboa por seus ridículos e desplantes – o senhor Marcos Maria Fernandes». Glosado por Eça e Ramalho em As Farpas, Fernandes era o novo-rico típico da sociedade lisboeta. Proprietário de um atelier de modas na Travessa de Santa Justa, a Maison de France, vivia obcecado com a promoção social.
Anunciava todos os seus actos sociais nos jornais da época, com particular destaque para as personalidades políticas e teatrais que o acompanhavam. A filha, dona Cecília Fernandes, tornara-se a «bandeira das suas paspalhices». Cada exame escolar, cada ritual baptismal eram motivos para retratos e propaganda na imprensa diária. «Com o seu regador de vaidades, ia refrescando o canteiro em que haviam de florescer os seus descendentes: julgando criar-lhes uma luminosa auréola, talhava-lhes uma carapuça com guizos. Em todos os seus actos charlatanescos, provocava o riso que descia ao escárnio», conta Schwalbach.
Nessa noite, Marcos Maria Fernandes vem participar ao director do Jornal do Comércio o futuro casamento da sua filha. Traz a notícia pronta, com a tradicional lista de personalidades convidadas para a boda e distinguidas como padrinhos. Há ministros na lista de celebridades. O texto, como não poderia deixar de ser, era um exagero lírico, mas Cristóvão Aires recebe-o da mão do pai babado. A redacção, entretanto, vai-se esvaziando, à medida que os tipógrafos compõem a primeira prova da notícia. «À formiga, já tinham saído os mais: ficámos sós, eu e o Cristóvão.» O contínuo do jornal traz entretanto as provas dos últimos textos em falta – a participação do casamento e a informação de um assalto frustrado.
O texto do comendador Fernandes desperta gargalhadas nos dois jornalistas e o apelido do ministro Henrique de Macedo, padrinho da moça, desperta o génio do mal na mente de Eduardo Schwalbach. Afinal, o assaltante que entrara numa residência utilizando uma verruma também se chamava Macedo.
«Chassez le naturel, il revient au galop!», pensou o repórter.
- Ó Cristóvão, e se forjássemos uma troca de granéis!
O director hesita. Sorri, mas recusa. Nunca tal sucedera num jornal português.
- Mas diz-me: não podia dar-se isto na paginação?
- Lá isso, podia. Mas não, não. No Jornal do Comércio, não.
Face à persuasão continuada do repórter, o director acaba por transigir. Sai a rir da redacção enquanto adverte como Pilatos:
-       Faz o quiseres. O que fica entendido é isto: não sei de nada!
Com a alegria de uma criança, Eduardo Schwalbach forja o inadvertido empastelamento. Mistura as duas notícias, a ponto de, na 28.ª linha, «o ministro da Marinha, Henrique de Macedo, munido de uma verruma, lhe queria arrombar a porta. Apareceu a polícia que o prendeu e que refere, à parte do ocorrido, que esse sujeito tinha ideia de agredir com a verruma a pobre». Com toda a inocência, a notícia retoma depois o teor original.
Jornal do Comércio, 6 de Dezembro de 1886
(a partir de microfilme da Biblioteca Nacional)
No dia seguinte, véspera da boda, o bairro dos jornais entretém-se com a graça. A imprensa séria finge-se chocada com o engano, a verruma entra nas conversas do quotidiano. O comendador Marcos Maria Fernandes protesta veementemente e exige a cabeça do responsável. Encorajado pelo seu próprio êxito, o Jornal do Comércio publica uma errata, lamentando «o nosso paginador [que] fez-nos hoje coisas do arco da velha». Mais à frente, Schwalbach não resiste a mais uma alfinetada, associando novamente o enlace a um caso de polícia. A errata regista que «um colega da noite noticia que, para fazer o serviço da polícia no templo dos Mártires, foram requisitados 1 chefe de esquadra, 2 cabos e 10 guardas de polícia, além de 10 guardas para o serviço externo».
No semanário Pontos nos I, Bordalo Pinheiro pinta a manta e cria várias vinhetas com a nubente fugindo de verrumas.
Pontos nos I(a partir de arquivo da Hemeroteca Digital)
Eis-nos chegados então à Igreja dos Mártires no dia 8 de Dezembro e ao cortejo nupcial que parece travestido de marcha carnavalesca. Crianças em cabriolas acompanham o coupé dos noivos apontando para desenhos de verrumas e soltando gritos de sátira. O comendador Marcos Maria Fernandes não levará certamente o relato deste casamento aos jornais da cidade. Schwalbach cai em si: «Com o coração em chaga e o cérebro em fogo pelo mal que causara àquela pobre menina, pálida como um cadáver (…), entre soluços, arrependido, enxaguei as lágrimas que me escaldavam as faces.»
Schwalbach aprendera que, mesmo um empastelamento propositado, tinha consequências. No seu caso, «sob a opressão de uma profunda mágoa, irreflectidamente fundei a dinastia dos Verrumas» – o único caso que conheço de um granel trocado de propósito num jornal.

O REI NO CORPO DE UM FRANCÊS
Passaram três anos. Schwalbach já saiu do Jornal do Comércio. José Luciano de Castro levou-o para o Correio da Noite, de onde saiu com estrondo após uma controvérsia com o prior da Lapa. Fundou em 22 de Abril de 1889, com Urbano de Castro, o jornal A Tarde, com o capital de dois mil e quatrocentos reis na algibeira. Desde o primeiro número, a dupla inova no jornal: «Prometemos ao público dar gravura do acontecimento, sempre que este seja de vulto. Para isso, fora as nossas gravuras em madeira, chamámos em nosso auxílio Manuel Gustavo Bordallo Pinheiro, cuja reputação artística não carece do nosso reclame (…) Outros desenhadores notáveis nos ajudarão nesta tarefa», promete-se logo na primeira edição.
A morte de Eduardo Coelho, fundador do Diário de Notícias (em Maio), serve de ensaio para a nova aposta em gravuras, mas o verdadeiro teste virá depois. Em 15 de Novembro, um tenebroso incêndio no Chiado marca a inovação de A Tarde. Manuel Gustavo Bordallo Pinheiro corre para a janela do consultório médico do seu tio, na Rua Ivens. Dali, desenha incessantemente. O gravurista espanhol Francisco Pastor transforma o croquis num instantâneo da tragédia. É um êxito em Lisboa. A tiragem chega a 20 mil exemplares e assusta O Século, que propõe a junção dos dois títulos, rapidamente recusada.
Exemplo das gravuras/croquis de A Tarde, 11 de Novembro de 1889
(a partir de microfilme da Biblioteca Nacional)
Semanas antes, aquando da morte do rei Dom Luís em Outubro, A Tarde conseguira também organizar um suplemento com gravuras do rei moribundo. Francisco Pastor não demora mais de três horas a transformar os croquis em gravuras. «A gravura do acontecimento, rápida e precisa, inaugura-a A Tarde e com ela conquista toda a aura popular», gaba-se Schwalbach.
O jornal vende-se bem e coloca novos desafios aos seus mentores. Em Dezembro de 1889, Dom Carlos será coroado e o jornal quer fazer novo brilharete. «Eu barafustava, arrepelava a imaginação a pensar na forma de arranjar outro suplemento com um grande retrato, de todo desconhecido, do novo monarca», conta.
A meditação leva o jornalista a passear pelas ruas da cidade. Vê numa tabacaria um exemplar da Illustration Française, revista de culto no século XIX graças à profusão de imagens e tratamento gráfico cuidado. Na primeira página, a publicação francesa traz um aparatoso retrato do general Boulanger a cavalo. «Lampeja-me no cérebro uma ideia maravilhosa», conta Schwalbach. «Compro a Ilustração, mando chamar o Pastor e digo-lhe ‘O meu amigo substitui neste retrato do Boulanger a cabeça dele pela cabeça de Dom Carlos, põe-lhe um capacete e veste-lhe uma farda nossa, de generalíssimo. E aqui temos um retrato de Dom Carlos a cavalo, que ele nunca tirou!’»
O gravurista espanhol demonstra toda a sua competência na empreitada. Inverte a posição do cavalo para dificultar o reconhecimento da figura. Monta a face do novo rei no boneco. A 27 de Dezembro, o jornal anuncia para o dia seguinte «a gravura de 0,32 de altura por 0,30 de largura, representando El-Rei Dom Carlos fardado de generalíssimo, a cavalo, soberbo trabalho saído da casa Pastor». No dia 28, publica a imagem.
Boulanger (original) e Dom Carlos (montagem)
Arquivos do autor e da Illustration Française
«O suplemento vendeu-se como canela», conta Schwalbach. «Depois soube que o próprio rei Dom Carlos, ao vê-lo, admiradíssimo perguntou: ‘Mas como é que arranjaram um retrato meu que não tirei?’»
Terá sido a primeira manipulação de imagem da imprensa diária portuguesa envolvendo figuras de Estado.

EPÍLOGOS
A Tarde não sobreviveu muito tempo. No Ultimato de 1890, Urbano de Castro e Eduardo Schwalbach aceitaram um pedido do ministro Lopo Vaz e não atacaram os termos do pacto de Inglaterra com Portugal, termos esses que forçavam o reino português a pedir autorização da coroa inglesa antes de alienar qualquer colónia. No furacão popular que varreu a sociedade portuguesa com raiva e recriminações, A Tarde foi quase destruída. «Os seus exemplares foram arrancados das mãos dos vendedores e, com eles em pedaços, fizeram-se fogueiras no Rossio e na Praça de Camões», conta Schwalbach. Dois anos depois, em 1892, o jornal fundiu-se com a Gazeta de Portugal.
Schwalbach abraçaria então uma carreira teatral com muito sucesso. Várias peças da sua autoria foram encenadas no Teatro Nacional Dona Maria durante a monarquia e a República encontrou-o já como professor do Conservatório. Voltou ao jornalismo em 1924, como director do Diário de Notícias, após a nomeação de Augusto de Castro para um cargo diplomático no estrangeiro. Deveria ter sido uma nomeação temporária, mas Schwalbach manteve-se no cargo até 1939 e cumpriria ainda novo mandato entre Janeiro de 1945 e a data da sua morte. Apresentou-se sempre como um director a prazo, mas a verdade é que esse prazo dilatou-se extraordinariamente.
O fundador da dinastia dos Verrumas faleceu em 1946, aos 86 anos, em Lisboa. Quis o destino – e uma certa propensão para as grandes cenas teatrais – que falecesse no dia 8 de Dezembro, o mesmo dia em que, 60 anos antes, o casamento na Igreja dos Mártires em Lisboa decorrera sob o signo das verrumas por sua exclusiva responsabilidade.

sábado, junho 04, 2016

Vinganças

Conta Eduardo Schwalbach nas suas Memórias que Dom Luís I e Mariano de Carvalho, director do Diário Popular, odiavam-se discretamente. O Popular era o jornal que mais atacava o monarca.
Um dia de 1886, já perto do final da vida, o rei teve de engolir o sapo e «confiar ao seu terrível detractor a pasta da Fazenda».
Vingou-se. Ao findar uma assinatura real a que assistia o novo ministro, o rei puxou-o de parte e perguntou-lhe se gostava de música.

— Sim, meu Senhor – respondeu Mariano.
— Então venha cá!

Durante noventa minutos implacáveis, Dom Luís torturou Mariano de Carvalho, «arrepiando os ouvidos da sua vítima com uma violoncelada quase seguida». O monarca tocava realmente mal o instrumento.


«Encantado por fora e como um urso por dentro», Mariano saiu daquela tormenta quase a espumar. «Sua Majestade voltou-se para o seu camarista e disse-lhe, esfregando as mãos de contente: — Estou vingado!»

domingo, maio 29, 2016

Heróis anónimos?

Jorge Lacão avisa no prefácio que a obra lê-se como um thriller. Não sei que thrillers Lacão tem lido, mas é um comentário totalmente absurdo e desajustado das 518 páginas que se seguem. Apesar dessa entrada em cena à Charlot, com um tropeção logo de rompante, esta obra de Wilton Fonseca e Mário de Carvalho, Heróis anónimos, Jornalismo de Agência, História da ANOP e da NP (1975-1986), possui reconhecidos motivos de interesse.
Comecemos a recensão pelo mais óbvio: nunca tal fora feito; nunca ninguém metera literalmente a mão nos arquivos das agências noticiosas do início do processo democrático, procurando deles extrair lições e tendências. Ao longo de páginas e páginas de um corpo de texto irritantemente pequeno, acumulam-se ordens de serviço, actas de reuniões, processos disciplinares, boletins estatísticos (maioritariamente da ANOP). Essa recolha fica agora feita – ou, pelo menos, iniciada. O terreno foi, pela primeira vez, aterrado e limpo para que se possa agora analisar cientificamente a informação, para lá do ruído e da desinformação. Esse é o mérito principal.
O objecto do livro é a explicação do processo de génese da ANOP, que deveria ter sido uma cooperativa, transferindo «a propriedade e a direcção editorial da agência do Estado para os seus utilizadores primeiros, os media» (pg. 34). Não o foi. A ANOP nasceu estatizada, com tudo o que isso implicou. «A cada mudança de governo correspondia um período de instabilidade administrativa, com as esperadas alterações na administração (…) Para ter um Conselho de Redacção que não lhes fosse hostil, as sucessivas administrações, por propostas dos directores de informação ou por sugestão do poder político, admitiam mais jornalistas, o que fez com que, ao fim de alguns anos, a agência atingisse um quadro de funcionários incompatível com a dimensão dos media do país», escreve-se na página 79. A assimilação de quadros da Lusitânia e da ANI, antepassadas da ANOP, foi outro fardo pesado.
As pressões governamentais sobre o rumo da informação são sumariamente empurradas para os I e II Governos Provisórios, através de um testemunho de 1980 de José Manuel Barroso, um dos directores de informação da ANOP (pg. 139), que recorda casos em que chegaram a ser enviadas à agência entrevistas completas, com perguntas e respostas, para difusão. No resto da obra, Fonseca e Carvalho não se debruçam particularmente sobre as ingerências governamentais sobre a informação. Preferem, ao invés, concentrar esforços na luta pela sobrevivência financeira da ANOP, constantemente asfixiada. Apesar de não existir índice remissivo na obra (e que falta me fez!), atrevo-me a prever que o nome do secretário de Estado José Alfaia, principal adversário da ANOP durante o governo Balsemão, será o nome mais focado ao longo de todo o livro…
Vamos ao reverso da medalha. Tal como seria desaconselhável que um cirurgião realizasse uma operação sobre si próprio ou que um advogado defendesse o seu próprio caso, é desadequado e pouco sério que uma investigação que se apresenta como “História da ANOP e da NP” (não “uma história”, mas “história”) seja levada a cabo por um agente social com responsabilidade directa nas escolhas (felizes e infelizes) do percurso. Não se pode olhar para uma casa simultaneamente do interior e do exterior, e a tentativa de o fazer com um pé na ombreira da porta é arriscada.
Não tenho dúvidas de que Wilton Fonseca é uma das pessoas que mais sabe em Portugal sobre estes onze anos das duas agências. Em qualquer esforço histórico e académico, teria sempre de ser uma fonte importante de documentos e memórias sobre este tema. Porém, noutro papel – o do historiador –, as roupas parecem demasiado apertadas, sobretudo quando é chamado a comentar episódios em que participou como director-adjunto de informação. Soam mal passagens como esta: «Havia uma larga faixa de utilizadores e observadores que encaravam a obra da dupla Barroso-Fonseca à frente da agência como positiva.» (pg. 198) Até pode ser verdade, mas fica mal.
Dou outros dois exemplos.
A propósito da queda do avião que transportava Sá Carneiro em 1980, Wilton escreve: «O maior problema da Direcção de Informação não foi controlar a produção dos jornalistas, mas sim o administrador Santos Cruz que insistia que a ANOP deveria noticiar que o PM tinha sido vítima de um atentado bombista. Interrogado pelo próprio director-adjunto de informação, sobre a fonte que a agência deveria citar na notícia, respondeu: ‘Eu.’» (pg. 151) Vêm à memória as conferências de imprensa do célebre futebolista que falava de si na terceira pessoa…
Noutra ocasião, a administração nomeia Cartaxo e Trindade para director-adjunto de informação, cargo que passa a ser bicéfalo (pg. 216). A nomeação de um dos homens que mais pugnara pela tradução e publicação do Livro Verde de Kadhafi foi certamente uma escolha exótica e injusta. Mas soam mal as críticas pessoais que Wilton Fonseca lhe move, lembrando que se apresentava como «licenciado em Filologia Românica (que não era) e como assistente da professora Andrée Crabbé Rocha, o que também não era verdade».
Ao longo da obra, o autor principal [e chamo-lhe autor principal porque o seu nome figura em corpo maior na capa] é, em simultâneo, actor participante e observador imparcial. Como o ministro Jim Hacker (da série Yes, Minister) certo dia descobriu, podem usar-se dois chapéus, mas continuamos a ter só uma cabeça!
A obra hesita entre dois pêndulos. Por um lado, assume-se como um livro branco das agências, listando nomeações, cargos, actas, decretos – é a abordagem mais árida, quase penosa de ler, mas onde se misturam os tais chapéus do autor principal; noutras passagens, muda a agulha para os episódios rocambolescos, dramáticos ou acidentais, típicos da vida de qualquer organização noticiosa. É neste último terreno que a obra merece maior crédito, recuperando episódios como a nomeação flagrante do irmão de um director-geral para um cargo na agência (pg.47), a existência (real ou fictícia) de antenas das FP-25 na própria ANOP (pg. 131-133), as pequenas vitórias de fotojornalismo em Camarate ou em Alcafache (pg. 123), o dia em que a ANOP bateu a própria Comissão Nacional de Eleições, apurando primeiro os resultados eleitorais (pg. 73), o nome infeliz da cooperativa que daria origem à NP e os trocadilhos entre PorPress e PornoPress que rapidamente brotaram (pg. 233), o erro amador do Conselho Geral da ANOP que, ao enviar cartas de despedimento a alguns trabalhadores, evocou o decreto-lei errado, gastando tempo e dinheiro (pg. 276), o caso do telex falso (pg. 430) ou a gaffe da visita de César Torres ao Fórum Picoas para ver as instalações inexistentes da nova LUSA (pg. 500).
Há um último aspecto que me incomodou, embora reconhecendo que é uma opção que cabe ao próprio autor. Haveria mesmo necessidade de contar os pormenores sórdidos do processo movido a Adriano de Carvalho em 1980 (pg. 155)? Ou do despedimento de Paulo David (pg. 165-166)? Ou de atirar Luís Pinheiro de Almeida para a linha do comboio com tanto requinte no caso do telex falso (pg. 345-348)? Ou de ridicularizar os primeiros dois telexes produzidos pela NP (pg. 299)? Ou de associar a morte de Cristina Ramos Braga à luta pela sobrevivência das agências? (pg. 357). Não creio…
Os autores chamaram ao livro Heróis anónimos. Percebo o anonimato, próprio da vida nas agências, mas não subscrevo o heroísmo que lhe está subjacente, nem concordo com a afirmação da introdução (pg. 15), segundo a qual «elas [a ANOP e a NP] constituíram a mais interessante experiência de jornalismo vivida em Portugal no século XX». Não foram.
O Diário Popular (fundado em plena Segunda Guerra Mundial), O Diário Ilustrado (criado e esmagado pela repressão), o Expresso (semanário de referência que tinha tudo para correr mal), a criação de serviços de informação na Emissora Nacional e na Rádio Renascença (contra todas as vontades), a aventura da TSF (pirata, primeiro, e rádio do regime depois) ou a eclosão de estações privadas de televisão poderiam transportar essa mesma coroa. Que, mesmo assim, também não seria heróica...


Wilton Fonseca e Mário de Carvalho. Heróis anónimos, Jornalismo de Agência, História da ANOP e da NP (1975-1986). Lisboa, Perfil Criativo Edições: 2016